MARIA, CARTA VIVA DE DEUS

1e2f69aa55c3b8282a22f9b79cf9a288“Com toda evidência vós sois uma carta de Cristo confiada a nosso ministério, escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, nos vossos corações” (II Cor 3,3).

São Paulo escreve esta Palavra aos membros da Igreja em Corinto. O frei Raniero Cantalamessa usa esta Palavra para referir-se a Nossa Senhora, Mãe e figura de toda a Igreja. E faz isto amparado pela tradição da Igreja: Orígenes falou de Maria como uma tabuazinha encerada sobre a qual Deus pôde escrever tudo aquilo que quis e Sto Epifânio, como um livro grande e novo no qual só o Espírito Santo escreveu.

A carta viva de Deus que é Maria, começa com uma palavra que guarda em si, como uma semente, toda a sua vida: “Alegra-te ó cheia de Graça, o Senhor está contigo”(Lc 1,28). Naquele momento o Espírito sopra no coração de Maria o entendimento de que Deus a favorecera grandemente, que a enchera de Graça sem mérito algum de sua parte, e que também sem mérito algum de sua parte a convida a tomar parte no seu desígnio de amor por toda a humanidade. Deus a elege gratuitamente.

Que significa para nós o fato da história de Maria começar assim? Significa que para nós também, no começo de tudo está a graça, a livre e gratuita eleição de Deus.

A primeira obra do Espírito na vida de Maria foi purificá-la de todo pecado Original no ato de sua criação, imprimindo nela a marca de sua eleição, da escolha divina em sua vida. Na nossa vida, a primeira obra do Espírito é também, junto com o Pai e o Filho, criar-nos e eleger-nos para Deus, e purificar-nos do Pecado Original pelo Batismo. Tudo isto, como em Maria, acontece na nossa vida gratuitamente, sem mérito algum de nossa parte, Não pudemos merecer, e nunca poderemos pagar nossa eleição à vida o chamado que Deus faz a nós. A vida de Maria, como carta escrita por Deus a nós proclama esta verdade em primeiro lugar.

Assim como Maria, ao tomarmos conhecimento de nossa eleição, e da gratuidade da Salvação que nos foi ofertada por Deus, o mesmo Espírito nos impulsiona ao desejo de doarmos inteiramente a nossa vida a Ele, como fez Maria: “Faça-se em mim segundo a vossa Palavra”, e ao próximo, como fez Maria, correndo para servir sua prima Isabel. De fato, Maria se oferece a Deus como uma página em branco, na qual Ele pode escrever tudo o que quiser.

Porém, ser dócil à ação do Espírito não consiste exatamente em inatividade, mas em ação inteiramente submissa à vontade divina. O menino por ela concebido é obra do Espírito Santo. Porém nem todos crêem nisto, e por esta razão Maria avançou desde o princípio por uma estrada onde todas as placas de sinalização parecem dizer: para trás! Ela avançou sempre antes de qualquer confirmação por parte da história. O seu sim foi suscitado não por fatos externos, mas pelo próprio Espírito Santo nas profundezas de sua alma. É sempre assim que se realizam as grandes obediências. Deus derrama sobre nós o Seu Espírito, e este nos impulsiona à Caridade, que nos impele a fazer o que Deus quer. Deus nunca impõe a sua vontade, mas dá a Caridade. Assim é que o sim de Maria é inteiramente livre, é o sim nupcial da esposa para o esposo. Sta Teresinha do menino Jesus conta em seu manuscrito o momento em que se ofereceu a Deus para sempre: “Foi um beijo de amor. Sentia-me amada e dizia: amo-te, dou-me a ti para sempre”. O sim de Maria é também o sim da filha que se sabe infinitamente amada pelo Pai, como na oração de Charles de Forcauld: “É para mim uma exigência de amor o doar-me e o entregar-me nas tuas mãos sem medida, com uma confiança infinita porque tu és o meu Pai”.

Depois da Anunciação, toda as situações vividas por Maria eram uma aparente contradição às promessas divinas: o nascimento de Jesus em extrema pobreza, a profecia de Simeão, a necessidade de fugir para o Egito, a perda de Jesus no templo, sua vida escondida durante trinta anos, as perseguições, a morte cruenta… Deus chamou Maria a percorrer caminhos especiais, nos quais ela não tinha outra defesa contra as evidências senão a sua Palavra ouvida no íntimo.

Somos chamados a seguir o itinerário de Maria, a sua vida no Espírito, caminho aonde não se pode reduzir Deus às nossas próprias idéias, às nossas próprias medidas, porque isto seria rebaixar a Deus, querer fazê-lo igual a nós, quando Ele vem para nos elevar até Ele e seus Caminhos “são infinitamente superiores aos nossos”.

Fonte: COMUNIDADE SHALOM

Anúncios

Um comentário sobre “MARIA, CARTA VIVA DE DEUS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s