Sem Maria não há Igreja

Bento XVI nos fala da importância da Virgem Maria na vida da Igreja.

O Papa Bento XVI faz reflexão sobre a Virgem Maria, retomando comentário de São Cromácio de Aquileia aos Atos dos Apóstolos.

Bento XVI afirma que presença da Mãe de Deus com os Apóstolos, depois da Ascensão, não é apenas um dado histórico de um acontecimento do passado. A presença de Nossa Senhora no Cenáculo adquire um significado de grande valor, pois Ela partilha com eles a memória viva de Jesus, na oração. Ela compartilha a missão de Seu Filho, de conservar a Sua memória, de conservar a sua presença.

O Santo Padre lembra que para gerar o Verbo, a Virgem Maria já recebeu o Espírito Santo. No Cenáculo, unida em oração com os Apóstolos, ela compartilha a expectativa do mesmo dom, para que no coração de cada crente “se forme Cristo” (cf. Gl 4, 19). Sem Pentecostes não há Igreja e não há Pentecostes sem a Mãe de Jesus, pois Ela viveu de modo único o que a Igreja experimenta todos os dias pela ação do Espírito. São Cromácio de Aquileia dizia que: “não se pode falar de Igreja, se não estiver presente Maria, Mãe do Senhor […] A Igreja de Cristo encontra-se onde se anuncia a Encarnação de Cristo através da Virgem”.

A Constituição dogmática Lumen gentium afirma que o lugar privilegiado de Maria é a Igreja, onde Ela é saudada como membro eminente e inteiramente singular. Nossa Senhora é exemplar perfeitíssimo na fé e na caridade (cf. LG 53).

Bento XVI ressalta que “venerar a Mãe de Jesus na Igreja significa aprender dela a ser comunidade que reza”. A oração é uma das características essenciais da primeira descrição da comunidade cristã, descrita nos Atos dos Apóstolos (cf. 2, 42). Muitas vezes, nossas orações de dão em momentos de sofrimento, para receber luz, consolação e ajuda. Mas, Maria nos convida a nos dirigir a Deus “não só na necessidade, nem só para nós mesmos, mas de modo unânime, perseverante e fiel, num só coração e numa só alma.

Nossas vidas às vezes passam por momentos difíceis e exigentes, que requerem escolhas inadiáveis, renúncias e sacrifícios. “A Mãe de Jesus foi posta pelo Senhor em momentos decisivos da história da salvação, e soube responder sempre com plena disponibilidade, fruto de um vínculo profundo com Deus amadurecido na oração assídua e intensa”. Na sexta-feira da Paixão, o Discípulo amado foi entregue a Virgem Maria e, com ele, toda a comunidade dos discípulos (cf. Jo 19, 26). “Entre a Ascensão e o Pentecostes, Ela encontra-se com e na Igreja em oração” (cf. At 1, 14).

Nossa Senhora é Mãe de Deus e Mãe da Igreja. Ela exerce a sua maternidade espiritual até o fim da história. Confiemos a ela toda a nossa existência pessoal e eclesial, e também a nossa passagem final. Maria nos ensina a necessidade da oração e nos mostra que só com um vínculo constante, íntimo e cheio de amor com o seu Filho é que podemos sair de nós mesmos, com coragem, para alcançar os confins do mundo e anunciar em toda a parte o Senhor Jesus, Salvador do mundo.

Fonte: Canção Nova

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s