O Acontecimento de Lourdes

No ano de 1858, a Imaculada Virgem Maria apareceu a Bernadete Soubirous nas cercanias de Lourdes (França), na Gruta de Massabielle. Por meio desta humilde jovem, Maria convida os pecadores à conversão, suscitando na Igreja grande zelo pela oração e pela caridade, sobretudo no que diz respeito ao serviço dos pobres e dos doentes.

Assim, resumidamente, podemos tomar parte em um dos acontecimentos mais marcantes da História da Igreja. A aparição de Nossa Senhora em Lourdes na França.

Desde esta data, milhares de pessoas têm ido até o santuário, lá edificado, a fim de ter um encontro particular com Deus através de Maria que se dignou a visitar a jovem Bernadete e indicar um caminho para a salvação do mundo.

A Igreja de Cristo, prudente e zelosa em sua tarefa, ensina que “não se há de esperar nenhuma outra Revelação pública antes da gloriosa manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo (cf. 1Tm 6,14;Tt 2,13)”(1) e por isso mesmo, o Papa e os bispos “não reconhecem qualquer nova revelação pública como pertencente ao depósito divino da fé”(2), isto, em outras palavras, quer dizer que nada mais pode ser acrescentado àquilo que Cristo nos deixou; nada falta à Sua mensagem; portanto, qualquer aparição pública anterior a que Cristo fará em sua nova vinda, não deve ser entendida como dogma de fé, ou seja, o católico não é obrigado a crer; contudo, é convidado a respeitar e a honrar Maria com tal título, pois todas as honras prestadas à Nossa Senhora se prestam à Maria Santíssima. A Igreja não proíbe nem contesta a crença nestas aparições, desde que as mensagens ali difundidas não alterem o conjunto das verdades da fé guardado pelos Apóstolos.

As aparições de Lourdes, apesar de também não serem dogmas de fé, chamam muito a atenção do católico e da própria Igreja. A multidão que lá acorre aponta diariamente para uma certeza cada vez maior: ali se sente a presença de Deus.

Assim como em todos os santuários católicos espalhados pelo mundo, Lourdes tem os seus milhares de testemunhos que afirmam terem recebido milagres. Ora, milagre é um testemunho que Deus dá em favor de uma verdade ou de uma pessoa, como por exemplo, um testemunho a favor da Divindade de Jesus Cristo, da autenticidade de sua Igreja, da santidade de uma alma, da eficácia da oração, etc. Assim, não é “milagre” certos fatos que, embora sejam admiráveis ou estranhos como algumas curas repentinas, visões sem conteúdo doutrinário, um ou outro caso de estigmatização, não têm significado religioso, não elevam a Deus, mas, ao contrário, só servem para satisfazer ao capricho e à vaidade de alguém. Quando Deus efetua prodígios, nunca o faz por capricho ou ostentação de sua Onipotência, mas sempre a fim de chamar a atenção do homem para algum dos atributos divinos.

Diante disso, a Igreja que tem por missão apregoar a verdade, não pode divulgar um milagre que não seja milagre. Não pode chamar de “testemunho de Deus” aquilo que é apenas “caso admirável” mas sem significado religioso, sendo apenas fenômenos naturais. Por isso, a Igreja constituiu em Lourdes, há muito tempo, quatro secretarias para analisar os ditos “milagres”. Essas secretarias estão à disposição de qualquer médico de qualquer lugar do mundo que queira tomar posse dos exames e dos debates. Ali participam médicos de todos os credos religiosos, inclusive ateus.

Um processo para declaração de milagre, que se realiza no Bureau Medical de Lourdes, leva no mínimo 5 anos e tem quatro instâncias a percorrer. Somente após o caso percorrer todas as instâncias e ser examinado e reexaminado é que a Igreja vai dar a sua palavra confirmando ou não o milagre.

O processo para a declaração de um milagre começa quando alguém se diz curado. Esta pessoa é então levada à primeira instância do processo. Nesta primeira instância são feitos rigorosos exames médicos, coletam-se documentos e depoimentos de testemunhas do fato e do estado anterior do enfermo. Qualquer circunstância que permita explicar naturalmente a cura (como nos casos das doenças meramente funcionais) leva o caso a ser imediatamente encerrado. Se, por esses exames médicos iniciais, não se acha uma explicação natural para a cura, um relator expõe o caso na Assembléia geral do Bureau, na qual todos os médicos presentes têm direito de intervir. Se a Assembléia geral decidir pela continuação do processo, ele é arquivado por um ano. Nesse tempo, a pessoa tida como curada fica sob observação de um médico designado pela Assembléia. Esse médico vai coletar novas testemunhas e constatar se a cura foi de fato definitiva.

Um ano depois, o processo chega à segunda instância: o caso é reapresentado à Assembléia de médicos que o discute, baseados nos novos dados colhidos pelo médico que acompanhou o caso. Qualquer dúvida prudente leva o caso a ser encerrado. Se após a nova discussão, o caso não tiver solução, a Assembléia Geral o encaminha para a

Terceira instância: um relator leva o caso à Comissão Médica Internacional em Paris. Se for declarada de modo formal que a cura não se explica do ponto de vista médico-científico, o caso passa à última instância.

Quarta instância: nesta instância se dá o processo canônico, ou seja, é a hora da Igreja, através do bispo da localidade onde mora a pessoa curada, analisar todos os resultados médicos para afirmar, em nome de toda a Igreja, se houve milagre ou não. Uma comissão, constituída pelo bispo, examinará minuciosamente o caso sob todos os aspectos físicos e morais. Após todas as análises, o bispo confirmará, não só apenas com os olhos da ciência, mas também com os olhos da fé, o possível milagre.

Mais de onze mil casos ali já passaram da terceira instância com a confirmação médico-científica de que não há explicação para aquela tal cura. No entanto, até hoje, apenas sessenta e seis de todos esses casos foram tidos como milagre pela quarta instância. Por quê? Por causa da seriedade da Igreja ao proclamar qualquer coisa que seja, ainda mais um milagre, que é um testemunho de Deus em favor de alguém.

Destes sessenta e seis casos reconhecidos oficialmente pela Igreja como milagres, podemos destacar o primeiro e o último:

O primeiro milagre reconhecido oficialmente foi o de Catherine Latapie, que era mulher de 38 anos. Ela tinha dado à luz quatro filhos, dois já haviam morrido. Na noite de 28 de fevereiro de 1858, sentiu a necessidade de ir à Gruta das aparições. Dois anos antes, ela caíra de uma árvore e tinha uma paralisia cubital no braço direito, que a atrapalhava enormemente em suas atividades. Além disso, estava grávida. Entretanto, não hesitou em ir assistir à décima segunda aparição da Virgem que se dava naquele dia. Quando tudo terminou, ela subiu na gruta, e encontrou a fonte onde Nossa Senhora tinha pedido à Santa Bernadete para lavar-se. Catherine Latapie colocou a mão, e logo em seguida ficou com o uso completo do braço direito. Partindo de volta a pé para casa, seis quilômetros da gruta, ela sentiu as dores do parto e deu à luz um filho que se chamou Jean-Baptiste. Mais tarde ele se tornou padre.

Já o mais recente caso a respeito dela confirmado pela Igreja como milagroso é o do francês Jean-Pierre Bély.

Jean-Pierre nasceu em 1936, é casado e pai de dois filhos. Em 1972, a doença começou a manifestar-se através de fadiga e formigamentos nas mãos e nos pés. Numa manhã de 1984, acordou com o lado direito do corpo paralisado. Era a esclerose em placa, doença degenerativa do sistema nervoso que conduz a uma dolorosa morte. Em 1987, seu quadro clínico era desesperador. O sistema de saúde público o tinha declarado 100% inepto a título definitivo e pagava um assistente para suas necessidades básicas. Era transportado em maca. Em cinco de outubro deste mesmo ano, peregrinou à Lourdes.

A peregrinação já ia chegando ao fim e Jean só piorava. Seus acompanhantes temiam que morresse antes de voltar.

Jean estava sobre a esplanada da Basílica onde acontecia a cerimônia da Unção dos Enfermos, e já ali Jean sentiu algo diferente: “Após receber a unção, senti uma paz, uma alegria, uma serenidade extraordinária. Como se tudo o que havia de mal na minha vida me tivesse sido tirado: meu esgotamento, minha ansiedade… Eu estava exultante, desligado do mundo (…) Posso dizer que recebi a cura do coração antes que a do corpo. Essa paz, essa serenidade não me deixaram mais. E todos os dias tenho a impressão de reviver esse momento. À tarde, conduziram-me de maca à cerimônia de encerramento da peregrinação. Lá, fui dominado por uma vontade irrefreável de me levantar e de caminhar. Mas, vendo em torno de mim todos os outros doentes de maca, tive medo de chocá-los. Desde aquele momento, decidi agir discretamente”(3)

E Jean continua seu relato: “Naquela noite fui acordado delicadamente. Senti que alguém me tocava. Julguei que era a enfermeira da noite que queria colocar-me o cobertor. Então acordei e não vi ninguém. Ouvi o sino da Basílica tocar três vezes. Mais tarde, interroguei a enfermeira sobre o fato, mas ela disse não se lembrar de me ter coberto durante a noite… Comecei então a relembrar todos os acontecimentos da peregrinação quando me veio uma idéia inesperada, e que se apresentou ao meu espírito como uma ordem, um convite: ‘Levanta-te e caminha!’ Eu julgava estar ouvindo coisas (…) O apelo voltava, mais insistente, mais premente que a primeira vez. Tudo isso me deixava mal à vontade… Virava-me e revirava-se no leito… O apelo tornou-se firme. O que eu ouvia não eram palavras, mas era como se alguém me falasse sem dizer palavras. É difícil explicar…”(4).

“Vendo que me movia no leito, a enfermeira da noite perguntou-me o que eu tinha. Disse-lhe que desejava ir ao banheiro. E caminhei pela primeira vez. Ela simplesmente me segurava pelo braço. Dei os meus primeiros passos na noite, como um bebê aprende a caminhar”(5).

O médico que acompanhava o caso de Jean-Pierre, Dr. Patrick Fontanaud, passou mal quando o viu sentado na sala de espera. O médico é agnóstico, mas confessa que a cura é inexplicável. Na paróquia, as pessoas choravam quando o viram voltar com suas próprias forças. Até o carteiro, o sr. Raymond, declarou à imprensa local: “Agora eu serei obrigado a acreditar no Bom Deus!”

O inquérito para estudar o caso de Jean-Pierre durou onze anos e consistiu numa longa série de exames médicos e psiquiátricos. Cada ano ele comparecia diante de 60 ou 80 médicos do Comitê Médico Internacional e respondia a um pinga-fogo de perguntas. Em 14 de novembro de 1998, o Comitê Médico concluiu tratar-se de “cura inesperada” e “fato inabitual e inexplicável em função dos dados da ciência”(6). Em 9 de fevereiro de 1999, D. Claude Dagens, bispo de Angoulême, reconheceu publicamente em nome da Igreja o caráter autêntico do milagre(7).

Assim procede a Igreja Católica Apostólica Romana diante das curas e milagres.

Bendigamos ao Senhor.

Demos graças a Deus.

_______________

(1) Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática Dei Verbum, 4.

(2) Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática Lumen Gentium, 25.

(3) Jornal Le Monde, Paris, 22 de dezembro de 2002.

(4) Loudes Magazine, nº 76, novembro de 1998.

(5) Jornal Le Monde, Paris, 22 de dezembro de 2002.

(6) http://www.lourdes-france.org/fr/frsa0021.htm

(7) http://www.lourdes-france.org/fr/frsa0085.htm

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

por Carlos J. M. Neto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s